Páginas

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

amigos da pós (criação visual e multimídia)

olá, pessoal!
aí estão os arquivos de nossa última aula.


aproveitem o simpósio. estarei numa das mesas do dia 25/09, às 20h45, que vai tratar das artes no fatídico ano de 1968. 
titio falará sobre o teatro naquele tempo de chumbo.


sexta-feira, 12 de setembro de 2008

wardinho faz coisas por aí

bem, crianças, só pra que todos saibam, vou participar de duas coisas bem interessantes, ambas na universidade s. judas tadeu:
1 - no dia 18/9, às 8h (si, de la mañana...), como parte do II ciclo de jornalismo, vou mediar um bate-papo a respeito de algo que me é muito próximo: webtv. são convidados ralfo furtado, do programa são, da alltv, e marcelo theilicke, diretor geral da clictv . vai ser legal, pra gente começar a entender porque o futuro (um dos...) da tv passa por aí.
2 - no dia 25/9, 20h45, como parte da programação do 14º simpósio multidisciplinar, participarei de uma mesa-redonda (no papel de lancelot...) sobre o tema 1968: síntese e perspectivas. trataremos de teatro, literatura, música, artes plásticas e cinema. 

podendo, não deixe de não perder!

como, minha senhora?
sim, continuo com tooodas as outras 782 atividades. 

o quê? se não é demais? nãããão... 
rerere...

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

criação visual e multimídia - novidades!

olá pessoal da pós-graduação!
aí vão mais algumas das coisas que utilizamos em sala:
fauvismo (texto e imagens) e
expressionismo (texto e imagens)
impressionismo  (imagens)

até sábado!

domingo, 24 de agosto de 2008

pós-graduação

material apresentado na aula sobre o barroco (textos)

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

o emocionante final! (da entrevista para vanessa oliveira)

ahhhhhhhhh...! agora, vamos à minha pergunta-chave: desde que se instituiu o pós-modernismo no mundo você acha que existe a possibilidade de uma nova escola surgir ?

não com o sentido que as escolas tiveram no passado. você tinha lá impressionismo,

expressionismo, cubismo, fovismo, os ‘ismos’ todos das vanguardas e tal.

isso daí levantava, assim, a visão de mundo de um grupo – mas o mundo era muito mais simples.

lembrar que, entre mil novecentos e..., bem, desde a segunda guerra mundial, desde um pouco antes dela terminar (terminou em 1945) até 89, com a queda do muro de berlim, o mundo estava divido em blocos irreconciliáveis: um liderado pelos eua e europa, outro liderado pela urss, china e tal. então, por exemplo, você tinha um conceito de direita e esquerda. por mais que eles se misturassem no meio do caminho, você tinha um conceito básico de direita e esquerda. depois da queda do muro teve até um... um... não lembro se jornalista, historiador... enfim, um articulista que anunciou o fim da história, que agora o mundo não vai mais se dividir em blocos eee..., então, a história vai rolar de uma maneira mais uniforme.

mentira, o que é isso?! você teria que eliminar... pra não acontecer mais isso daí, você deixa só a união européia e eua, só o grupo dos sete e pronto. aí, joga uma bomba de nêutrons

(nota do blogdowarde: ela só destrói matéria orgânica, como pessoas, vegetais e animais, deixando a infra-estrutura – concreto, ferro, asfalto e tal - intacta) no resto do mundo.

enquanto tiver o resto do mundo vai ter luta de classes, vai ter pobre e rico e tal; porque os caras estão, desde os anos 80, enfiando na nossa goela o negócio da globalização, globalização, globalização (que pode ter começado com as grandes navegações do século 15!); que tem um discurso muito bacana e eu adoraria que a globalização fosse de saúde, comida, paz e ursinhos carinhosos – entendeu? –, adoraria que fosse isso aí a globalização.

mas o que se globaliza é o consumo, não se globalizam oportunidades iguais; se globalizam... hãã... produtos idênticos, vendidos por preços diferentes em várias partes do mundo; globaliza-se a cultura...

fazem um grande negócio?
éééé, porque é um grande negócio e isso vai tirando a identidade das pessoas. elas vão perdendo a capacidade de lutar, porque elas não sabem por quê elas vão lutar.
porque elas não sabem quem elas são; então, “vou lutar pra quê”?

num contexto desses, surgir uma escola, uma corrente artística uma... uma idéia em qualquer campo da arte, que um monte de gente diga “ei, gostei disso daí; eu quero me expressar da mesma maneira”... é difícil.
pra isso acontecer você teria que ter visões de mundo parecidas e encontrar muita gente com essas visões de mundo parecidas. então, é meio difícil que venha a existir uma “escola”, no sentido antigo.

a partir dos anos 80, com a pós-modernidade (aliás, essa expressão, se não me engano, já existia na década de 50), instituiu-se o “tudo-ao-mesmo-tempo-agora”, como diz um disco dos titãs.

aquele negócio que eu falei antes, de liberdade da criação artística, continua sendo verdade porque eu posso colocar um personagem na minha peça, uma mulher com o cabelo cortado à maneira da cleópatra e ninguém vai estranhar, vai ser um elemento a mais na minha peça.
o último espetáculo teatral que eu fiz chamava-se oroboros,

que é um símbolo utilizado na alquimia, utilizado em mitologia no mundo inteiro, dos astecas aos chineses, dos gregos aos hindus; é usado em mitologia do mundo inteiro. é uma cobra ou um dragão que morde a própria cauda e, neste ato, forma um circulo que, segundo os iniciados, engloba toda a existência, não só esse planeta, não só esse universo, engloba tudo e tal. e o significado disso daí é que – e esse era o subtítulo da peça – o fim é só o começo, o fim e o princípio das coisas acabam se tocando.
o interessante é que o espetáculo falava sobre busca de identidade; o cara, o personagem central buscou sua identidade a peça inteira, mas ele não sabia o que estava buscando... era só pra saciar a curiosidade dele sobre umas coisas que ele andou lendo; foi tentar descobrir o que era aquilo lá e – atenção, agora! – quanto mais fundo ele ia pra saciar a curiosidade, mais ele sabia porque tinha aquela curiosidade; sabendo porque que tinha aquela curiosidade, sabia quem ele era etc. etc. etc. e, quando termina a história, é que ele... reflete sobre o seguinte: “essa história não acabou, ela está acontecendo; ainda e ainda está acontecendo, em vários lugares ao mesmo tempo. é por isso que essa história é contada; essa história precisa ser contada; ou, então!, essa história é contada porque ela precisa". que é um jeito de dizer o quanto tudo isso vale a pena, pra gente acabar descobrindo quem é.
de verdade.

você acha que as pessoas hoje estão em busca da identidade mesmo? a arte não se manifesta como antes porque as pessoas não tem identidade?
ééé...eu não sei se as pessoas estão em busca da identidade ou se elas aceitam..... sabe o que eu acho fascinante? o negócio de clone. as pessoas falam “ih, será que um dia vão clonar um ser humano?”
toda vez que eu escuto isso eu penso: “de novo?”
porque a gente já está sendo transformado; todos nós estamos sendo transformados em clones, né?
a gente é sempre conduzido. já dizia monteiro lobato na década de 30, que a gente vai sendo conduzido como um grande rebanho; e a gente vai comendo as mesmas comidas, comendo a batata frita cortada sempre do mesmo jeito, o hambúguer, o refrigerante; tudo igualzinho.
... marionetes, né? teatro de marionetes...
...é, teatro de marionetes.
e aquele hambúrguer, a vantagem dele, o que diz a propaganda? “ele é igualzinho em todos os lugares do mundo”. é mesmo? o clima não é diferente, os costumes não são outros, os temperos que agradam as pessoas não são outros? é.
mas, a gente vai sendo doutrinado desde pequeno. quando o cara cresce ele vai gostar daquilo lá, os (pronunciando exagerada e farsescamente as palavras estrangeiras) "hamburguers" de "fastfoods" internacionais, pra não dizer (irônico) "mcdonald’s", porque eu não quero citar o nome "mcdonald’s", mas quando as pessoas falam assim “ah, mas eu gosto”, é claro que gosta, a sua festa de aniversário era no "mcdonald’s", você vai ao "mcdonald’s" desde criança, claro que você cresceu gostando daquilo.

aí, você vai lá no seu tio, no seu pai, no seu avô e eles falam assim “não, não gosto; essa batata frita deles não tem gosto de nada, eu prefiro aquela batata que é cortada na mão mesmo, um gominho fica mais grosso, outro fica mais fino e você põe na frigideira e tempera; uma fica mais sequinha, outra fica mais molinha, outra uma fica mais tostada, outra fica mais branquinha, elas são diferentes e eu gosto desse jeito, porque foi assim que eu cresci”

pois é, querida vanessa, a batata frita de antigamente cada um sabia fazer a sua em casa (éramos auto-suficientes em batata-frita!), e hoje todo mundo come a mesma; e a gente usa os mesmos cabelos, ouve as mesmas músicas, assiste aos mesmos filmes.

então, se a cultura é o que nos dá identidade e a nossa cultura está sendo transformada numa coisa só... nós estamos virando a mesma pessoa.

isto é: clones.

obrigada, warde!
eu é que agradeço!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

teoria das mídias - TEORMID



olá crianças!
atenção para estes textos (inclusive para a ordem em que estão):
1 - marshall macluhan
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_84dts78sg5
2 - quentes e frios
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_85hk6pz48q
3 - o príncipe eletrônico
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_86gc8stxh2

esses línques levarão vocês ao maravilhoso mundo encantado da teoria das mídias. os textos estão lá e devem ser lidos para que as informações em sala de aula sejam melhor aproveitadas.

caso não tenha ficado claro, tentarei ser mais explícito: leiam esses textos, pois é muuuiito possível que alguns conceitos ali contidos caiam na prova... capisci?

de brinde, vai uma foto de são marshall mcluhan, que todos estarão amando antes do fim deste ano.

bjos e abs, conforme o costume.

domingo, 10 de agosto de 2008

arte moderna


oi, pessoal da pós-sjudas (criação visual e multimídia). conforme prometi, aí vai o diagrama da arte moderna.
claro que não dá pra ver nada assim.
basta clicar sobre a imagem pra engrandecer a danada. divirtam-se!
(e todo mundo mais que passar por aqui, evidentemente...)

ah, também falei de uma bibliografiazinha legal. ei-la:

argan, giulio carlo arte contemporânea, companhia das letras, sp, 2001.

arnheim, rudolf, arte e percepção visual – uma psicologia da visão criadora, thomson learning edições, sp, 2007.

dempsey, amy estilos, escolas e movimentos – guia enciclopédico da arte moderna, cosac naify, sp, 2005.

gombrich, ernst h. a história da arte, ltc editora, rj, 1999.

stangos nikos (org.) conceitos da arte moderna, jorge zahar ed, rj, 1991.

wölfflin, heinrich renascença e barroco, ed. perspectiva, sp, 2005.

terça-feira, 29 de julho de 2008

outra entrevistinha - segundo round

entrevista para vanessa oliveira, no campus mooca da universidade s. judas tadeu, em 12/06/2008, 2ª parte.

tem alguma escola que mais se destacou dentro das artes plásticas?
não, não tem uma escola, porque elas têm períodos. eu falei do impressionismo, agora há pouco. o impressionismo se destaca por ter, praticamente, criado a idéia de arte moderna. assim, o artista pôde dizer “olha, dá licença, eu comprei o pincel, a tinta e a tela; eu vou pintar o quadro do jeito que eu quiser, não preciso de doutores, não preciso de academia, não preciso de mestres pra me dizer como pintar; eu vou pintar aquilo que eu estou sentindo, se as pessoas gostarem eu sou um artista, se elas não gostarem eu não sou um artista”. eles estavam certos. as pessoas gostaram e eles são hoje consagrados.

mas, você tem muitas outras manifestações; você pega um movimento que surgiu lá em 1904, na frança, chamado fovismo.
(matisse, a dança)
esses caras ensinaram pra gente que o céu pode ser verde e a grama azul. por quê? porque, às vezes, a gente está de cabeça pra baixo, a gente tá vendo o mundo de cabeça pra baixo e, aí, eles mostram que as cores têm um significado psicológico mais do que realista. então, eles vão desenhar ou pintar uma mulher sensual com fortes tons de vermelho; “nossa, será que aquela mulher é tão vermelha assim”? não, é pra dar a idéia de sensualidade, pra dar pra gente a sensação de que aquela é uma mulher sensual.

aí, chega um outro artista e diz assim “não, eu acho que esse mundo está muito bagunçado, este mundo está de pernas pro ar, eu quero mostrar a idéia, eu quero transmitir a idéia de que o mundo precisa de ordem e simplicidade”. e você tem um artista como mondrian, por exemplo,
do neoplasticismo; ele vai usar só quadrados e retângulos nos seus quadros; só as cores preto, branco, cinza, azul, amarelo e vermelho. com essas seis possibilidades de cor ele constrói um universo de... de imagens.

ou, então, você pega um outro exemplo, ainda falando de artes plásticas, como o expressionismo, que vem dar uma sacudida nas pessoas. é como se pegasse o espectador pelos ombros e dissesse: “he-llo-ou! ei, acorda! você não está prestando atenção! esse mundo em que você está, está criando uma massa de miseráveis, que um dia vão perder a paciência e, nesse dia, você vai reclamar da violência!”. pois é, eles estão avisando isso desde 1910, com poesia, gravura, pintura, escultura, cinema, teatro de monte, literatura da melhor qualidade, filmes... filme dá pra você ir em locadora; vai lá, pega em sessão de clássicos, filmes expressionistas (como essa imagem de nosferatu, de murnau)
e você vai ver, nossa!, que coisa impactante! pois é, a gente tem elementos expressionistas espalhados pela arte até hoje, por que a arte ainda não cansou de avisar “um dia, a massa de miseráveis vai perder a paciência eu acho bom vocês prestarem a atenção”..

você acha que a arte como ela está hoje ela continua evolução?
hããã... sim. mas, a gente precisa tomar cuidado com uma coisa: achamos que evolução é sempre uma coisa positiva. caramba, eu vejo tantas pessoas dizendo “ah, avisaram que agora estava chegando o progresso aqui na nossa cidade e, veja só, agora tem poluição, tem barulho tem não sei o que; isso é progresso”? é, isso é progresso; eu não disse que era bom, eu disse que ia pra frente...

você perguntou se existe uma evolução. tem uma outra palavra pra isso, talvez seja melhor: um desenvolvimento. uma coisa está envolvida quando está enrolada em si mesma; quando ela se desenvolve, ela cresce em todo o seu potencial. isso não quer dizer que seja bom ou ruim, quer dizer que cresce, apenas. então, sim, a arte está sempre evoluindo, tem sempre um outro jeito de dizer alguma coisa. se esse outro jeito vai agradar a muita gente ou não é uma outra questão. e, também, a gente tem que lembrar que deixamos de ter um padrão único de arte; deixou de ter certo e errado em arte, o que abre espaço a tudo o que a total liberdade do artista pode criar, o artista é limitado apenas pela sua imaginação. que maravilha, sensacional etc. etc. ...

mas, é claro que pode chegar um picareta, também, e dizer: “olha, eu vou colocar esse copo d’água em cima da mesa, isso é minha obra de arte simbolizando o desperdício de água no planeta e as milhões de pessoas que tem sede”. você pode dizer “epa! mas, isso é uma picaretagem”!... e é, mesmo. só que você não vai proibir a picaretagem, porque corre o risco de proibir a idéia genial que você ainda não entendeu. então, liberdade pra todo mundo, sai criando e tal; mas... por exemplo, as pessoas chegam aos limites mais absurdos, muitas vezes com o intuito não de produzir a obra de arte mas, muitas vezes, só para chamar sobre si a mídia, chamar sobre si a atenção da imprensa e, com isso, aparecer bastante e tentar descolar um dinheiro com isso.

eu lembro do caso de um artista, eu sei que ele é latino-americano e ano passado (2007), se não me engano, ele teria criado uma instalação no país dele (não me lembro qual, no momento) para a qual ele pegou um vira-lata na rua, amarrou num determinado canto de uma exposição e deixou que o cachorro ficasse ali até morrer de fome e dizia que isso era pra denunciar a fome no mundo e tarará... pra mim, um jeito mais eficaz de fazer isso, seria ele mesmo se acorrentar e dizer “olha, eu vou ficar aqui até morrer de fome, a menos que alguém faça alguma coisa”. talvez, assim, ele estaria provocando uma atitude solidária, positiva, mesmo que desesperada das pessoas pra não deixarem o artista morrer de fome. eu tenho certeza de que ele não morreria de fome; mas, ele não comoveu ninguém e tem fotos das pessoas em volta do cachorro... hã... até o cachorro morrer de fome. há um abaixo assinado circulando pela internet (mas, a internet não é uma fonte muito confiável...) dizendo que esse “artista” virá ao brasil, participar da bienal aqui em são paulo e “vamos nos posicionar contra isso e tal”. isso já é um desconhecimento de como funciona não só a bienal, mas como funciona a lei na cidade de são paulo, aqui não pode ter circo com animais, não pode ter rodeio, porque existe lei que proíbe maus-tratos aos animais na cidade são paulo. então, essa...essa “instalação” do cara... essa cretinice, aí, não poderá acontecer em são paulo. mas, idiotas existem em vários lugares do mundo e ele poderá perpetrar isso em uma... uma nova empreitada. (tubí contínuedi)

sexta-feira, 25 de julho de 2008

outra entrevistinha

o bom de lecionar em faculdade de comunicação é que nunca vão faltar entrevistas comigo mesmo! rerere.

aí eu aproveito para dar forma a algumas reflexões - coisa que eu dificilmente faria no papel - e, com o consentimento dos entrevistadores, publico esse material aqui.

essa entrevista que colei aqui foi concedida para minha queridíssima vanessa oliveira, no campus mooca da universidade s. judas tadeu, em 12/06/2008.

como ficou grande para caramba, vai em três partes.

1ª parte

vamos falar um pouco sobre sua formação acadêmica e sua vida profissional.
eu fiz uma faculdade por tradição de família, faculdade de direito; me formei, cheguei a fazer registro na ordem dos advogados, tentei advogar; descobri minha incompetência pra ser advogado e tive o bom senso de desistir disso, não ficar lá só pra ganhar dinheiro ou coisa parecida.

só que, enquanto eu fazia o curso, eu fiz teatro na faculdade durante cinco anos. comecei a fazer teatro, teatro amador, na faculdade; fiz durante cinco anos, fiz depois que me formei... dois anos depois de ter me formado, eu entrei numa escola profissionalizante de teatro (na fundação das artes de são caetano do sul - http://www.fascs.com.br/); me formei ali e, um ano depois, fui chamado pra dar aula nessa mesma escola. tempos depois, descobri que havia pós-graduação em teatro na universidade são judas tadeu - (http://www.usjt.br/).


fiz esse curso, minha primeira pós-graduação, especialização em teatro. terminado esse, fiz especialização em história da arte. em seguida, mestrado em comunicação na eca-usp e de lá, da minha dissertação de mestrado, saiu o meu livro maria della costa: seu teatro, sua vida. (meu objeto de pesquisa foi a carreira da atriz maria della costa, o que me serviu para, usando como pano de fundo a época em que ela viveu em são paulo, contar a parte principal, acredito, da história do teatro no brasil, especialmente em são paulo, do começo do século 20 até a metade dos anos 70).


depois de muito trabalhar pensando basicamente na sobrevivência eu... eu consegui chegar, pouco a pouco, num estágio bem interessante de carreira, no qual eu trabalho fazendo só o que gosto. então, eu sou professor de teatro, de estética, de história da arte, análise de texto; sou diretor teatral, sou ator, sou dramaturgo, sou escritor; dou curso de oratória, de comunicação verbal, de dramaturgia.

eu me divirto muito fazendo essas coisas e – olha só que legal – além disso, ganho minha vidinha. trabalho aqui na universidade são judas tadeu, onde eu dou aula de estética e história da arte para o curso de jornalismo e para as turmas matutinas do curso de radialismo. também aqui, nesta universidade, dou aula de encenação para o curso de educação artística, habilitação em artes cênicas. fora daqui, sou professor dos cursos profissionalizantes da oficina de atores nilton travesso (http://www.niltontravesso.com.br) e da fundação das artes de são caetano do sul. ali, também trabalho no setor de desenvolvimento de projetos e num programa de desenvolvimento sócio-cultural chamado viva arte viva, que eu ajudei a criar e hoje presto assistência aos coordenadores.

fale sobre a sua.....a parte da arte que você mais gosta, que eu já sei que é o teatro.
(risos) é... hã... o interessante é que quem realmente gosta de uma forma da arte, acaba logo se envolvendo com as outras, porque elas todas se comunicam; se elas não são casadas, elas são primas, são vizinhas, amigas, irmãs, dependendo do caso. (pensa) olha só, eu descobri teatro muito antes de ver teatro, lendo monteiro lobato (na foto), historinhas do sítio do pica pau amarelo.
um belo dia eu, lendo o livro o minotauro, da série infantil do monteiro lobato, li uma descrição do que acontecia numa peça de teatro, uma tragédia grega chamada prometeu acorrentado, de ésquilo. e tinha lá uma fala de prometeu que diz o seguinte: “cairás, zeus, de seu trono no céus; o tridente de poseidon será quebrado, e os homens farão do fogo a arma mais invencível da face da terra!”. eu tinha uns nove anos quando li isso; e eu achei absolutamente lindo; falei: “nossa, eu queria saber mais disso”. aí, eu comecei a me interessar pelas dicas que o monteiro lobato dava através da dona benta e dos outros livros dele.

e foi, então, que eu acabei conhecendo platão, sócrates, shakespeare e algumas outras coisinhas mais. isso me incentivou a estudar mitologia e eu comecei a comprar, com muita dificuldade, uma série de fascículos que era vendida semanalmente em banca de jornal, numa coleção chamada mitologia. hoje... hoje eu sei que o texto era bastante simples, não era um trabalho de pesquisa muito profundo mas, se o texto era simples, as imagens eram maravilhosas. essa coleção era editada no brasil pela abril cultural, mas o original dela, se não me engano, é italiano; era uma coleção ilustrada com obras do universo das artes plásticas, assim, do mundo todo, né? você ia falar de zeus, pegava zeus de toda parte, o deus principal de toda parte... hã... falava de vênus ou afrodite, e pegava o símbolo de mulher de todas as partes; e tudo no universo das artes plásticas: pintura, escultura, desenho, gravura etc. etc.

e foi assim; dali há pouco comprei meu primeiro livro, eu tinha 11 anos de idade. o primeiro livro que eu comprei era hamlet, de shakespeare, porque a dona benta falou que era legal. então, quando eu... se eu tenho que render homenagens a alguém ou agradecimento a alguém pela minha formação, esse alguém é monteiro lobato. esse país deveria ser lobatista, seria um país melhor e mais combativo e mais engraçado e menos bobo.

então, fale um pouquinho sobre artes plásticas e a sua evolução.
hã... foi...bom, o mesmo caminho que me levou ao teatro me levou a gostar de artes plásticas; foi uma coisa que eu sempre... sempre acompanhei e faz bem; faz bem pra vida da gente, assim como o teatro, a literatura, a música, o cinema; ou seja, assim como todas as outras artes, as artes plásticas espelham a gente, né?, elas nos ajudam a refletir sobre nós mesmos, seja pra mostrar um determinado padrão de beleza, seja pra mostrar um... uma época, sabe? no período do renascimento a gente vê, por exemplo, aparecer o cristo loiro de olhos azuis. por quê? porque os pintores tinham seus modelos loiros de olhos azuis, lá no norte da itália e não mais no oriente médio, de onde veio cristo. o tipo físico era outro, o padrão físico era outro.

ou, então, surge uma arte como ....uma arte não, uma proposta artística dentro das artes plásticas, como o impressionismo, que era o quê, quando surgiu? era coisa de um bando de jovens, casa dos 30 anos; quando a gente vê as fotos deles, senhores de barbas brancas e tal, a gente ta vendo as fotos de quando eles já eram grandes artistas, consagrados e eram senhores de barbas brancas. mas, quando eles começaram suas carreiras eles eram jovens, eles eram combativos, eram guerreiros, eles eram os caras que passavam a noite nos cabarés, nos botecos, enchendo a cara e trocando idéias. hoje em dia grande parte das pessoas que passam, também, madrugadas inteiras nos botecos enchendo a cara... não trocam nada! (risos) então, né?, os caras ficavam lá trocando idéias e, às vezes, por essas idéias, eles acabavam brigando de rolar na rua, entendeu?, acabavam brigando de soco, porque acreditavam demais nessas idéias e não porque um estava vestindo uma camisa de time de futebol diferente; brigavam porque eles acreditavam em idéias diferentes, que nada mais são do que maneiras diferentes de ver o mundo e de entender o mundo e de entender o papel da gente, ser humano, nesse mundo.

as artes plásticas... assim, no... no sentido mais bobinho do termo “plástico”... porque plástico? plástico é aquilo que é flexível, moldável e, então – olha só que legal – é uma forma de arte na qual você vai transmitir a sua visão de mundo moldando uma parte desse mundo; você pega um pedacinho de... de... um pedacinho de tinta bastão ou um tubinho de tinta óleo ou você pega um giz de cera, um lápis, uma caneta esferográfica e... eu passei, olha (consulta o relógio), são agora sete da noite... faz, aproximadamente, duas horas eu passei em frente de três pequenos quadros. aí, estava a etiqueta embaixo do quadro “caneta esferográfica sobre papel...”, não lembro o nome do papel, não importa. caneta esferográfica, dessa que a gente usa pra escrever, mas na mão de um artista...

é arte?
é arte, assume um outro significado porque ele vai resumir ali, resumir no sentido de condensar, de captar a essência e colocar no papel – no caso – alguma coisa que você olha e diz: “ah! é, eu reconheço isso daí; eu reconheço aquilo que está ali no quadro, parece... hã... essa pracinha que você desenhou, parece a pracinha da minha vila, lá onde eu fui criado”. pois é, acontece que o artista nunca esteve na vila onde você foi criado – como é que ele acertou a pracinha? ele não desenhou a sua pracinha, ele colocou alguns elementos de pracinha que estão presentes nas pracinhas de todo o mundo, que é pra gente olhar pro quadro e ver a nossa pracinha.

e se identificar com ele?
e se identificar com ele, exatamente. é isso que nos dá, essa palavra que você usou é uma palavra mágica, é isso que nos dá identidade. eu sei quem eu sou quando eu me reconheço.

(fim da parte 1)

que tal? depois eu posto (que palavra!) mais

quinta-feira, 26 de junho de 2008

canção do tamoio

Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar.

assim começa a canção do tamoio, de gonçalves dias.
é um dos meus textos favoritos, porque encerra verdades
absolutamente perenes - pra mim, é claro...
acredito tanto no que diz o poeta, que um trecho desse
poema faz parte, há tempos, de minha mensagem de findano.

se quiser ler o texto na íntegra, tem um línque a seguir.
escolhi esse saite porque ele tem uma intenção didática e
eu acho isso bacana.
não li tuuudo o que tem lá, apenas algumas coisas e as achei interessantes.
na verdade, descobri esse endereço caçando, exatamente,
um línque legal pra esse poema.

divirta-se!
http://www.edukbr.com.br/leituraeescrita/maio04/jesquina.asp

segunda-feira, 16 de junho de 2008

finalmente: notas dos trabalhos de ESTHAR!

sim, eu sei que demorou, mas aí estão as benditas notas dos trabalhos de ESTHAR.
você deve estar morrendo de curiosidade. ok, vá até o línque referente à sua sala, veja a nota do seu grupo e volte aqui depois. quero dizer uns trecos.

Rádio e TV
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_77gg4sntdw

Jornalismo A
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_78d2p8srd4

Jornalismo B
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_80rp7fj7cr

Jornalismo C
http://docs.google.com/Doc?id=df3t3bmw_79cjt8qbc4

(...)

voltou? bem, vamos lá, algumas considerações.
do total de 40 trabalhos apresentados, as notas, da média para cima, ficaram assim:
3,0 – 10 (25%!)
2,5 – 7
2,0 – 8
1,5 – 7

ou seja, 32 trabalhos obtiveram nota igual ou superior à média. Um bom resultado. Parabéns a todos.
se você não tirou a nota que esperava, não desista! essa é a vida real e a história só fala dos que chegaram ao fim da jornada. afinal, são eles que escrevem essa história. insista, aumente o investimento em você mesmo/a, esforce-se ainda mais. se você fizer sempre a mesma coisa, obterá sempre o mesmo resultado. quer mais? ofereça mais. é assim que a coisa funciona.
se você tirou a nota que esperava, reflita sobre ela, muito profundamente! você está certo/a de que é isso mesmo o que espera de si? só isso? tudo isso? exatamente isso? o que é que você quer, afinal?
se você tirou uma nota maior do que esperava, cuidado com ela ! não imagine que ela seja o seu resultado definitivo. não espere que os outros lembrem-se do seu feito máximo para sempre. você vai ter que matar um leão por dia. sempre. e nunca será o mesmo leão; ele estará sempre forte e faminto. você poderá carregar só sua experiência, sabedoria, conhecimento. e isso é o que fará, sempre, a diferença. invista nessa diferença, para não ter que recomeçar do zero a cada amanhecer. para poder ver outros e outros amanheceres.
ou o leão...

beijos e abraços, distribuídos como o costume.
wm

quinta-feira, 5 de junho de 2008

uma entrevista que dei


há uns dois dias, a atriz e estudante de comunicação anna felizola (que foi minha aluna na oficina de atores nilton travesso), às voltas com seu trabalho de conclusão de curso (tcc) universitário, passou-me por e-meio a entrevista que vai abaixo. hoje, depois de escrever, de um só fôlego, todas as respostas, percebi que já digo essas coisas há algum tempo – faltava-me registrá-las. com a devida autorização de anna – e meu obrigado pela oportunidade – a coisa ficou assim:

perguntas:

Nome completo, idade e profissão.
warde marx; 48 anos; ator, diretor, professor e dramaturgo.

Como você vê o teatro em São Paulo?
muito ativo, com muitas produções, pesquisa, inovações. há teatro para todos os gostos e bolsos.
é preciso lembrar que toda a arte é reflexo da sociedade que a produz. em são paulo (cidade ou estado) há dinheiro, gente, desejos e necessidades - tudo em grande quantidade e de todas as qualidades. assim, o teatro paulistano (incluindo a grande são paulo) não poderia ser diferente.

O que falta para o teatro em São Paulo? (Apoio? Incentivo? Divulgação? Espaço?)
apoio, incentivo, divulgação e espaço - sempre.
porém, desde que pisei num teatro, há quase 30 anos, ouço o pessoal da classe reclamar disso, da falta dessas coisas todas (aprendi com meu primeiro professor, antonino assumpção, e acredito nisso até hoje: "o teatro tem que ocupar todos os espaços"). mas, a resposta que costumam encontrar é que precisam de dinheiro público e/ou privado. a finalidade é "levar o teatro aonde o povo está". e tome lei de incentivo e tome teatro na periferia e tome preços populares/baixos/inexistentes. e isso tudo tem, sim, sua importância.
só que eu acho que os investimentos e as lutas, nesses anos todos, negligenciaram um dado importantíssimo: educação (como de resto vem sendo negligenciada em todas as esferas deste país. só a classe dominante parece saber que seus filhos, bem preparados, terão um futuro definido pela frente). não adianta levar uma peça a quem nunca viu teatro e esperar que a pessoa enlouqueça e queira ver teatro 24 horas por dia. reclamam os "modernetes" que é um absurdo (usam muito essa palavra) as pessoas preferirem encher a cara no boteco ou ir ao pagode (e outras atividades do mesmo valor) a assistir seus espetáculos suuuper-qualquer-nota. o que eu digo a isso? ora, meus amigos, mostrem-me em que momento o teatro passou a fazer parte da vida daquelas pessoas! não como uma coisa "diferente" do cotidiano, mas como uma coisa tão presente quanto... encher a cara no boteco ou ir prum baile daqueles.

Qual a importância/contribuição de grupos como o Folias D'Arte para a cena teatral paulista? (nota do warde: pra quem não é de são paulo: o grupo folias d’arte é um dos mais atuantes grupos da cidade, com trabalhos que dão inveja a muuuiiita gente. os caras unem teatro, música, humor, crítica, enorme seriedade e beleza plástica. seus trabalhos são aulas de estética teatral. e, ainda por cima, lá trabalha a grande atriz, diretora e mestra do teatro, bete dorgam, que eu tenho a sorte de ter como amiga)
os grupos que, desde os anos 90, vêm se firmando na metrópole são de importância fundamental para nosso teatro (não só em são paulo, mas em outros cantos do brasil também, que isso está em toda parte). através de pesquisas - práticas e teóricas, é importante ressaltar - produzem e fixam conhecimento e renovação. servem como exemplo pra garotada que vem vindo, no sentido de que é possível viver de teatro, mui dignamente, sem entrar em nenhum esquemão de "faço-coisas-ruins/menores-para-garantir-sustento-enquanto-preparo-meu-trabalho-verdadeiramente-artístico". e, como não dependem de um produtor-capitalista, alguém que escolha o texto e a forma de produzir o próximo espetáculo, segundo suas conveniências mercadológicas (só para entender bem: é isso o que fazem os produtores dos grandes musicais que têm vindo pra cá...), acabam refletindo de maneira muito mais profunda o mundo em que vivem/vivemos.

Como era a cena teatral paulista antes desse "boom" de grupos importantes em São Paulo como o Folias?
beeem basicamente, era o seguinte: nos anos 80, saindo da ditadura militar (o último general-presidente ficou até 85, daí entraram tancredo/sarney, para um governo de transição), o brasil estava muito atrapalhado. se o teatro, como toda arte, reflete seu tempo e lugar, adivinhe como estavam nossos palcos? entre outras, tentamos:
a) voltar ao tempo das grandes companhias (antônio fagundes teve uma bem importante; juca de oliveira também);
b) partir para soluções economicamente viáveis (pequenos elencos, grandes nomes);
c) fazer um teatro que debochasse daquilo tudo que se vivia (besteirol);
d) acreditar que reunir um elenco, realizar um espetáculo e dissolver esse elenco após a temporada era tudo o que podíamos fazer, pois não havia como contratar aqueles artistas permanentemente (o que nos faria voltar ao item "a").
aí, algumas pessoas começaram a se reunir para fazer teatro. só isso. em função do teatro foram ler, discutir, brincar, brigar, viver, experimentar e muitos outros verbos (pois verbo é ação; e como é que se diz ação em grego...? drama!).

A esses ajuntamentos de pessoas acima descritos nós chamamos... “grupos”!

Existe espaço para mais grupos que nem o Folias?
em cada canto, esquina, imaginação, morro, bairro, escola, igreja, reflexão, clube, praia, coração, garagem e vão de escada.

Como você vê a cobertura jornalística de peças teatrais e também a critica?
basta pegar os livros que reúnem a cobertura e crítica de gente como décio de almeida prado, miroel silveira, paulo francis, sábato magaldi, bárbara heliodora, yan michalski, maria thereza vargas e mais uns (muito) poucos; perceber que aquele trabalho não ocorreu em outro planeta ou era geológica; foi aqui no brasil, são paulo e rio de janeiro, principalmente, há 50 anos ou menos - basta conhecer isso, pra se ter uma vontade enorme de chorar...

Para você, como nasce um espetáculo teatral? (Warde, o objetivo do nosso trabalho é descobrir como nasce um espetáculo teatral!)
da vontade de contar uma história, diante de alguém, usando para isso o seu corpo, de maneira integral, com sentido estético - essa é a molécula do teatro, a partir dela tudo é possível, o único limite é a imaginação.
pra chegar ao teatro parte-se do texto, da improvisação, do simples desejo de algum artista - percebendo afinidades ou o que o valha - trabalhar com outro, de uma boa idéia que alguém teve numa mesa de bar (um texto meu - que montei recentemente - nasceu há uns 5/6 anos, numa mesa de padaria, sem álcool. a idéia permaneceu armazenada e, há 6/7 meses, brotou novamente sua necessidade, a peça foi escrita, encenada e terminou sendo um belo sucesso!).
na verdade, pensando nisso agora, acho que o importante é sempre iniciar a caminhada (pois o caminho se faz ao caminhar, ou seja: não há fórmulas) e ter um desejo de chegar (ao espetáculo, no caso). Como ele vai ser quando a gente chegar lá é uma outra história...

bão, a entrevista termina aqui.

mas, acho que vou continuar a pensar no assunto...

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

ano novo, ...

recomeçam aulas.
dito assim, parece notícia requentada, de todo começo de ano.

e é.

a razão é que a gente, cada vez mais, perde contato com os motivos, os porquês de as coisas acontecerem. as agendas são tão corridas que vamos atropelando os dias, os minutos, as horas e os anos; primavera, verão, outon0 e luz, aimeudeus, quais são mesmo as estações?

fala a verdade: você não torce pra semana passar logo, pro fim de semana chegar logo, pro feriadão chegar logo, pras férias, natal, carnaval, sãojoão, reveiôm, paixão, amor, sorteio da megasena chegarem logologologo?
então, lindura, bem-vinda/o ao maravilhoso mundo dos que escolheram viver menos. claro, uai! se você quer que o tempo corra mais, não consegue aproveitar tudo o que sua passagem lhe oferece. escolhe não viver, pra poder passar um tempo sem ter nenhuma obrigação - a não ser a de não ter nenhuma obrigação, o que não deixa de ser uma tremenda duma obr... ah, você entendeu.

por isso, vamos colocar uma marca nesse começo de ano, ora. se são aulas, trabalho, relacionamento, casa nova, outra cidade, uma criação, sei lá, não importa.
apenas pare de se lamentar e invista suas energias com vontade de obter duas coisas igualmente importantes, no lugar daquela sensação de estar causando pena aos outros: um processo, que seja a um tempo ético e prazeroso; e resultados, que façam você, de preferência, sentir-se um ser humano melhor. como estou nesse negócio de educação, não consigo pensar num outro jeito de dizer a coisa (o quanto estudar e cursos e oficinas e tal são coisas importantes), mas é mais ou menos o mesmo pra todo mundo: faça as coisas de verdade, com seriedade, buscando aproveitar melhor seu tempo.

e não se esqueça: TUDO tem um preço (e o que pode ser expresso em dinheiro é sempre dos menores). se você tem um objetivo, não espere ele cair do céu.

mexa a bunda e vá à luta.

acho que é isso.

sábado, 2 de fevereiro de 2008

putz, esqueci de avisar!

numa postagem anterior, disse que tinha terminado de escrever uma peça, mas ainda não sabia o nome.



beeeemmm... já temos esse nome: oroboros - o fim é só o começo.



será, como já devem saber, o espetáculo de formatura do núcelo 38 da fundação das artes, estréia em março e o blog deles - e meu também, é claro - é http://oroboros38.blogspot.com/.



dá um pulinho lá, que tem umas coisas legais.



e, de brinde, vai procês uma imagem do oroboros. é a figura de um dragão ou serpente - nessa imagem, os dois - devorando a própria cauda. vale dizer: o fim e o começo das coisas acabam se encontrando e sendo, talvez, a mesma coisa...

theme from darth warde

meu, como é que eu demorei tanto tempo pra colar esse som aqui?!...
é mais do que necessário!
e, já que o blogger não está aceitando o vídeo puro e simples, por favor, recorra ao línque (http://www.youtube.com/watch?v=BQBmTvIwfCQ) para ouvir o sonzinho do wardinho...

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

ufa!

acabo de terminar de escrever uma peça. ainda não sei o nome, isso virá no decorrer da encenação. é o texto da montagem de formatura do núcleo 38 da fundação das artes.

agora que a turma atingiu sua configuração definitiva (com entradas e saídas de gentes que tinham e não tinham a ver com o momento desse trabalho), o processo tem sido muito bom. tem poucas coisas mais legais que fazer teatro com quem QUER fazer teatro. a gente tem tido uma sintonia beeem afinada - daí, a coisa rende.

ainda não sei o que dizer do texto. ficou bem redondo, mais até do que eu mesmo achava que ficaria. por diversas vezes pensei que ele teria que ser ajustado pela encenação. ainda bem que a coisa rolou e, dias antes do prazo a que nos propusemos, o texto ficou pronto. costumo dizer que tenho uma musa inspiradora, que faz com que os trabalhos de criação saim de qualquer maneira e não atrasem nenhuma produção ou compromisso: o nome dela é prazo. comprometo-me a, um dia, falar mais a seu respeito.

estou escrevendo esse textículo para registrar o prazeroso alívio que dá concluir um trabalho de criação. claro que texto é texto, espetáculo é espetáculo; só dioniso sabe como minha pobres frases e falas vão ser muito mexidas e enriquecidas com a colaboração do núcleo com que estou trabalhando e do coletivo de encenação, meus parceiros melissa aguiar e sérgio azevedo.

enfim, o ensaio que se iniciará dentro de hora e meia vai correr com ainda mais energia. a mim, resta a gostosa sensação de prazer cumprido.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

parece tããão fácil...



fico impressionado como as pessoas nunca imaginam que um professor possa ter tido algum problema escolar. especialmente (hoje sei disso...) um professor de teatro.

ele sempre leu todos os livros, viu todos os espetáculos, ganhou todos os prêmios;
sempre foi protagonista, nunca teve um branco ou dor de barriga ou afonia;
nunca atrasou ou esqueceu ou teve um problema: seja doença (sua ou na família), desemprego, fome, sono, cansaço, dureza, desamor, depressão ou outro qualquer.
e sempre teve ótimos professores, que nunca erraram e sempre lhe deram todas as explicações requeridas e os papéis em que ele poderia render mais e que eram, exatamente – veja que coincidência! –, os que ele mais queria e gostava mesmo.
e, como sempre foi genial, forte e invencível, como conseqüência natural o teatro curvou-se a ele.

nada mais longe da verdade.

tudo o que aprendi foi que essa coisa de teatro é pesada e forte e dura e não dá agradinhos, nem poupa ninguém.
mexe com algumas coisas que doeriam menos se ficassem quietinhas, lá no fundo da gente. nos expõe além do que seria razoável a um ser humano normal. faz exigências às vezes cruéis, outras ridículas.
todo o tempo que eu tenho no teatro só serviu pra eu ter a mais profunda certeza de que nada nem ninguém nos prepara para o que o teatro poderá exigir da gente.
ele sempre parece encontrar uma provação maior que aquela para a qual nós nos aprontamos.
e a verdade - sem nenhum enfeite - é que no momento em que é dada a incumbência, alguns de nós dão conta, outros não. por maior que seja a vontade que todos tenhamos.
é que não era o momento; o tempo de preparo não fora atingido.
e a pessoa pode ter um ou dez ou trinta anos de teatro, não importa - às vezes conseguimos, às vezes não.

e - atenção, que isso é o que importa, mesmo, em teatro - sua capacidade não será medida pelo fato de ter conseguido algo da primeira vez, mas pela sua persistência em superar-se até conseguir.
até porque, sabemos todos, acertar de primeira, pode ter sido sorte - e o teatro não pode se dar ao luxo de contar com a sorte.

interrompo - não termino! - aqui a reflexão, feita para que você, leitor, tivesse uma idéia do que está por trás das coisas que penso, digo, faço e das decisões que tomo. sim, pois é preciso decidir coisas.
e assumir a decisão, justificá-la, sustentá-la diante de outros pontos de vista. confesso que seria muito, incrivelmente mais fácil tomar a decisão que me deixaria bem com todos, bonito aos olhos do mundo. mas meu compromisso, faz muito tempo, é com o teatro.

ele me deu tudo o que tenho; é preciso que eu o respeite.

voltarei ao assunto... sei lá... um dia.

(a foto é da montagem de fica comigo esta noite, de flávio de souza, direção de sérgio de azevedo e deste locutor que vos fala)